Brasil no Olhar dos Viajantes

Senhora_escravos_1860

a série sobre História do Brasil chamada Brasil no Olhar dos Viajantes, trata da questão da identidade nacional a partir de relatos feitos por estrangeiros desde o descobrimento até as grandes expedições científicas do século XIX e revela a influência que esses relatos tiveram na construção da nossa imagem. A produção audiovisual é inédita no Brasil e traz textos e imagens raros sobre a história do país.

(séculos XVI e XVII) trata dos viajantes e aventureiros que vieram para o Brasil pouco antes na descoberta do continente americano e logo depois do descobrimento do Brasil. Os relatos dessa época, privilegiam a natureza exuberante e o habitante exótico e selvagem representado pela figura do índio.

(séculos XVII e XVIII) retrata a missão religiosa na França Equinocial, a colonização holandesa em Pernambuco e a passagem de vários navegadores e comerciantes franceses e ingleses no litoral da Bahia, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Esses navegadores, em passagens pela costa brasileira, fazem descrições sobre os hábitos, sobre as cidades litorâneas e sua organização, sobre a relação entre colonos e escravos. Descrevem também o comportamento feminino e o caráter dos então habitantes do Brasil.

(século XIX e XX) traz as missões artísticas, as expedições e os relatos de viajantes que vieram para o Brasil depois da vinda da família da real e do Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas.

o quarto episódio da série Brasil no Olhar dos Viajantes apresenta as viagens e expedições científicas dos estrangeiros que percorreram o país no século XIX e mostra a influência que seus relatos tiveram na construção da identidade nacional.

“(…) tenho observado que tanto os portugueses quanto os espanhóis gostam de ostentar seus engenhos e grandes casarões(…) William Dampier (1651-1715)

Amédée François Frézier (1682-1773) em passagem por Salvador em 1714: ” (…)pelas ruas só se veem as figuras hediondas das negras e dos negros” “Acreditem! Há lojas repletas desses pobres infelizes expostos nus e que podem ser comprados como animais (…)” “A gente rica nunca anda à pé. Os habitantes daqui tem vergonha de utilizar as pernas que a natureza lhes deu para caminharem” … ” deixam-se molemente carregar numa espécie de cama feita de tecido de algodão que dois negros levam sobre a cabeça ou sobre os ombros” (…) ” os portugueses são tão ciumentos que mal permitem que suas mulheres frequentem a missa nos dias de festa e nos domingos” … ” não obstante todas as precauções” … “elas são quase todas libertinas” .. ” e sempre encontram meios de iludir a vigilância de seus pais e maridos”…

Grato pelo comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s