Animação – Anima Mundi

O Festival Internacional de Animação do Brasil, ou Anima Mundi, é um festival de animação que ocorre anualmente no mês de julho nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, no Brasil.

Iniciado em 1993, é o maior da América Latina. Durante o festival são exibidos curtas, médias e longas-metragens, seriados e comerciais. As linguagens narrativas e técnicas são as mais variadas e o festival não exige nenhum critério específico.

Por outro lado, o festival promove um concurso internacional de animações para a Internet com critérios específicos, o Anima Mundi Web, que é uma mostra competitiva paralela à que ocorre no Rio de Janeiro e em São Paulo. O concurso online recebe trabalhos realizados com o programa Flash, que são exibidos no site do Anima Mundi onde os internautas podem participar da votação pela escolha da melhor animação. Desde 2005, acontece também o Anima Mundi Celular, competição online para animações feitas especificamente para telefones celulares.

veja as animações em: http://www.animamundi.com.br/pt/anima-multi/animamulti_home.php/2012?v=1002716

O Festival Internacional de Animação do Brasil − Anima Mundi − criado por quatro animadores brasileiros, se realiza todo mês de julho desde o ano de 1993 nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, tendo se tornado o segundo maior festival de animação do mundo.

Desde a primeira edição, uma de suas maiores atrações é o Estúdio Aberto, onde o público, entre uma sessão e outra de filmes, produz cenas de animação em diversas técnicas, podendo assistir ao resultado na hora.

O interesse que essas oficinas despertavam em professores e alunos de escolas públicas e particulares motivaram a equipe do Anima Mundi a elaborar atividades e métodos de ensino especialmente dirigidos ao ambiente escolar. Nascia o projeto Anima Escola!

Cartilha Anima Escola : http://www.animaescola.com.br/media/arquivos/cartilha%20Anima%20Escola.pdf

Manipulador Universal de ANimações

MUAN é um sistema open source para animação quadro-a-quadro, compatível com os sistemas operacionais Linux, Windows e Macintosh.

Através do sistema MUAN, torna-se possível gravar imagens fixas em seqüência e editá-las no mesmo ambiente, com uma interface intuitiva e rápida performance. A instantaneidade favorece a espontaneidade e criatividade do trabalho de animação. O MUAN não cria ou edita as imagens em si: está focado na manipulação do seqüenciamento de imagens, conceito até então abstrato para um leigo em animação.

primeiros filmes para o cinema…


George Méliès nasceu em 1861 e depois de se tornar um dos mais famosos mágicos ilusionistas da França, dono do famoso teatro “Robert-Houdin”, se tornaria também, o criador do primeiro filme de ficção científica da história, “Viagem à Lua” (de 1902), e o inventor de uma técnica de efeitos especiais usada até hoje: o “stop-motion”, a filmagem quadro-a-quadro que dá movimento a objetos inanimados.

A história de Méliès com o cinema começa com os irmãos Auguste e Louis Lumière, quando estes apresentaram o seu “cinematógrafo” à cerca de 30 pessoas em 1895, em Paris. Os irmãos Lumière que acabavam de inventar o cinema sem querer deram uma idéia ao mágico Méliès que viu no cinematógrafo uma boa maneira de mostrar sua arte.

O mágico do cinema descobriu a técnica que o deixaria famoso por acidente. Um dia enquanto filmava um ônibus em movimento a câmera de repente pifou. Ao voltar a filmar, um carro fúnebre aparecera no lugar do ônibus e, ao assistir a filmagem Méliès percebeu que o ônibus “se transformara” em um carro fúnebre.

Até fazer seu filme de maior sucesso, “Viagem à Lua” de 1902, Méliès fez vários outros filmes (ao todo, Méliès filmou cerca de 500 filmes em toda sua vida), incluindo o filme “Orquestra de um Homem Só” onde ele mesmo aparece tocando vários instrumentos ao mesmo tempo.

Viagem à lua (1902)

Infelizmente, como a maioria dos grandes gênios naquela época, Méliès morreu sem ter o reconhecimento devido. Apenas cinco anos após lançar seu filme de maior sucesso encontrava-se falido. O Teatro “Robert-Houdin” fechara por ocasião da I Guerra Mundial e seu teatro de variedades (que ele havia criado em 1915) declarou falência em 1923.

Várias de suas obras foram vendidas para fábricas de celulóide e transformadas em sapatos para soldados. O próprio Méliès revoltado com sua situação financeira destruiu parte de seus filmes.

Méliès morreu em 1938. Falido, sem sucesso, sem mágica.

Recomendação literária:

Sinopse

Hugo Cabret é um menino órfão que vive escondido na central de trem de Paris dos anos 1930. Esgueirando-se por passagens secretas, Hugo cuida dos gigantescos relógios do lugar – escuta seus compassos, observa os enormes ponteiros e responsabiliza-se pelo funcionamento das máquinas. A sobrevivência de Hugo depende do anonimato – ele tenta se manter invisível porque guarda um incrível segredo, que é posto em risco quando o severo dono da loja de brinquedos da estação e sua afilhada cruzam o caminho do garoto. Um desenho enigmático, um caderno valioso, uma chave roubada e um homem mecânico estão no centro desta intrincada e imprevisível história, que, narrada por texto e imagens, mistura elementos dos quadrinhos e do cinema, oferecendo uma diferente e emocionante experiência de leitura.

fonte: http://www.infoescola.com/biografias/george-melies/ e http://www.ojovemescritor.com/2011/02/resenha-invencao-de-hugo-cabret.html